Guia de prevenção
e informações sobre
a COVID-19

Sobre a COVID-19

• Os coronavírus são uma grande família de vírus comuns em muitas espécies diferentes de animais, incluindo camelos, gado, gatos e morcegos. Raramente, os coronavírus que infectam animais podem infectar pessoas, como exemplo do MERS-CoV e SARS-CoV. Recentemente, em dezembro de 2019, houve a transmissão de um novo coronavírus (SARS-CoV-2), o qual foi identificado em Wuhan na China e causou a COVID-19, sendo em seguida disseminada e transmitida pessoa a pessoa.

• A COVID-19 é uma doença causada pelo coronavírus, denominado SARS-CoV-2, que apresenta um clínico variando de infecções assintomáticas a quadros graves. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a maioria (cerca de 80%) dos pacientes com COVID-19 podem ser assintomáticos ou oligossintomáticos (poucos sintomas), e aproximadamente 20% dos casos detectados requer atendimento hospitalar por apresentarem dificuldade respiratória, dos quais aproximadamente 5% podem necessitar de suporte ventilatório.

CASOS
SUSPEITOS

CASOS CONFIRMADOS

22.371

CASOS DESCARTADOS

CASOS
 ÓBITOS

Boletim Atualizado em

Fonte: Secretaria Municipal de Saúde

Principais Sintomas

Não brinque com a sua vida. Não brinque com a vida dos outros.

Vacinômetro

VACINA - 1ª DOSE

2.483

VACINA - 2ª DOSE

11.178

TOTAL

Sobre as Vacinas

Coronavac - Instituto Butantan

Doses: 2 doses
Efeitos colaterais: Dor local, naúseas, mialgia
e cafaleia.

Oxford - Fiocruz

Doses: 2 doses
Efeitos colaterais: Dor local, naúseas e mialgia.

Na maioria dos casos as complicações são consideradas “leves”. As mais comuns são dor no local da aplicação, cansaço e dor de cabeça. Outras complicações podem aparecer, como inchaço, coceira, endurecimento no local, náusea, diarreia, dor muscular, tosse, dor nas articulações, coriza, dor de garganta e nariz entupido. Já as mais raras são hematoma, vômito, sono, febre, manchas na pele, espirros, tontura, dor de barriga e diminuição de apetite.

Como as vacinas COVID foram desenvolvidas apenas nos últimos meses, é muito cedo para saber a duração da proteção das vacinas COVID-19. A pesquisa está em andamento para responder a esta pergunta. No entanto, é encorajador que os dados disponíveis sugiram que a maioria das pessoas que se recuperam de COVID-19 desenvolve uma resposta imunológica que fornece pelo menos algum período de proteção contra reinfecção - embora ainda estejamos aprendendo quão forte é essa proteção e quanto tempo ela dura.

Sim, desde que o início dos sintomas tenha ocorrido há pelo menos 4 semanas. Se houve diagnóstico de COVID-19 há menos de 4 semanas, você não deverá tomar a vacina nesse período. Quem foi diagnosticado com COVID-19, porém não teve sintomas, deverá tomar a vacina a partir de 4 semanas do resultado do exame.

Ainda não há estudos sobre a segurança das vacinas em grávidas; mas, algumas sociedades médicas, Como a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia e a Sociedade Brasileira de Infectologia, recomendam vacinar grávidas especialmente no terceiro trimestre da gestação. A decisão sobre vaciná- las deve ser individualizada, baseando-se no risco de exposição e de complicações (grávidas com outros fatores de risco, como obesidade, hipertensão, etc.).

A vacinação tem dois objetivos básicos:
Havendo infecção pelo coronavírus, a vacina protege a pessoa contaminada de sintomas mais graves, evitando hospitalizações e mortes. Impedir a contaminação de mais pessoas. Quanto maior o número de pessoas vacinadas, menor o risco de doença e a chance de circulação do vírus. Por exemplo, em Israel, onde já foi vacinada grande parte da população, houve diminuição importante no número de internações.

Na bula aprovada para esta vacina, recomenda-se que a segunda dose seja administrada entre 4 e 12 semanas após a primeira. Os estudos também demonstram que intervalos maiores entre as doses são associados a maior eficácia.

Pré-agendamento da vacinação

GUIA DE INFORMAÇÕES SOBRE VACINAÇÃO CONTRA O CORONAVÍRUS

E se eu ficar doente?

• Utilize máscara o tempo todo.

• Se for preciso cozinhar, use máscara de proteção, cobrindo boca e nariz todo o tempo.

• Separe toalhas de banho, garfos, facas, colheres, copos e outros objetos apenas para seu uso. O lixo produzido precisa ser separado e descartado.

• Mantenha a janela aberta para circulação de ar do ambiente usado para isolamento e a porta fechada, limpe a maçaneta frequentemente com álcool 70%, água sanitária, ou outro produto recomendado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa.

• Evite compartilhar sofás e cadeiras e realize limpeza e desinfecção frequente com água sanitária ou álcool 70% ou outro produto recomendado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa.

• Depois de usar o banheiro, nunca deixe de lavar as mãos com água e sabão e sempre limpe vaso mantendo a tampa fechada, pia e demais superfícies com álcool, água sanitária ou outro produto recomendado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa - para desinfecção do ambiente

 

 

Como se Proteger

Mantenha distância mínima de 1 (um) metro entre pessoas em lugares públicos e de convívio social. Evite abraços, beijos e apertos de mãos. Adote um comportamento amigável sem contato.

Ao tossir ou espirrar, cubra nariz e boca com lenço ou com a parte interna do cotovelo. Não tocar olhos, nariz, boca ou a máscara de proteção fácil com as mãos não higienizadas. Se tocar olhos, nariz, boca ou a máscara, higienize sempre as mãos como já indicado.

Lave com frequência as mãos até a altura dos punhos, com água e sabão, ou então higienize com álcool em gel 70%. Essa frequência deve ser ampliada quando estiver em algum ambiente público (ambientes de trabalho, prédios e instalações comerciais, etc...), quando utilizar estrutura de transporte público ou tocar superfícies e objetos de uso compartilhado.

Recomenda-se a utilização de máscaras em todos os ambientes. As máscaras de tecido
(caseiras/artesanais), não são Equipamentos de Proteção Individual (EPI), mas podem funcionar como uma barreira física, em especial contra a saída de gotículas potencialmente contaminada.

A limpeza da casa deve ser feita normalmente, com atenção a alguns cuidados básicos de prevenção. O álcool 70% pode ser utilizado para limpar objetos, chão e maçanetas. É importante limpar também cestos de roupa e evitar chacoalhá-las, para que o vírus não se propague.

Higienize com frequência o celular, brinquedos das crianças e outro objetos que são utilizados com frequência. Não compartilhe objetos de uso pessoal como talheres, toalhas, copos etc.

Telefonesㅤ

4622-8850ㅤ

Secretaria de Saúde

4622-8300ㅤ

UPA Fazendinha

4622-8750ㅤ

PAM Santa Ana

Tipos de Diagnósticos

O Diagnóstico Clínico é realizado pelo médico atendente, que deve avaliar a possibilidade da doença, principalmente, em pacientes com a associação dos seguintes sinais e sintomas: Febre, tosse, dispneia, coriza, dor de garganta, mialgias, distúrbios gastrointestinais (diarreia/ náuseas/ vômitos), perda ou diminuição do olfato ou perda ou diminuição do paladar.

O Diagnóstico Clínico-epidemiológico é realizado pelo médico atendente no qual considera-se: casos de paciente com a associação dos sinais e sintomas supracitados ou SRAG MAIS histórico de contato próximo ou domiciliar, nos últimos 14 dias antes do aparecimento dos sintomas, com caso confirmado laboratorialmente para COVID-19 e para o qual não foi possível realizar a investigação laboratorial específica.

O Diagnóstico Clínico-imagem é realizado pelo médico atendente no qual considera-se: caso de sintomas respiratório mais febre ou SRAG ou óbito por SRAG que não foi possível confirmar ou descartar por critério laboratorial E que apresente alterações tomográficas.

O Diagnóstico Clínico-epidemiológico é realizado pelo médico atendente no qual considera-se: caso o paciente apresente os sintomas respiratórios mais febre ou SRAG. O profissional de saúde poderá solicitar os seguintes exames laboratoriais: de biologia molecular, (RT-PCR em tempo real), Imunológico, Ensaio imunoenzimático (Enzyme-Linked Immunosorbent Assay - ELISA), Imunocromatografia (teste rápido), Imunoensaio por Eletroquimioluminescência (ECLIA).

O Diagnóstico Laboratorial em Indivíduo Assintomático é realizado pelo médico atendente no qual considera-se: pessoa sem sintomas. O profissional de saúde poderá solicitar os seguintes exames: Exame de Biologia Molecular com resultado DETECTÁVEL para SARS-CoV-2 realizado pelo método RT-PCR em tempo real. Exame de Imunológico com resultado REAGENTE para IgM e/ou IgA realizado pelos seguintes métodos: Ensaio imunoenzimático (ELISA) e Imunocromatografia (teste rápido) para detecção de anticorpos.

Prefeitura do Município de Santana de Parnaíba
Avenida Marechal Mascarenhas de Moraes, 1283 - Sítio do Morro
CEP:ㅤ06517-520 - Santana de Parnaíba - SP

  • Expediente de segunda a sexta-feira das 8h àsㅤ17h
  • Telefone:ㅤ(11) 4622-7500ㅤ